Os depoimentos de Horácio Carlos, 49 anos, e Fabrício Canhedo, 34, presos por envolvimento na chacina contra 10 pessoas de uma […]

Suspeitos apontam Gideon Batista como mentor de chacina contra família

Os depoimentos de Horácio Carlos, 49 anos, e Fabrício Canhedo, 34, presos por envolvimento na chacina contra 10 pessoas de uma família do Distrito Federal, apontam o suspeito Gideon Batista de Menezes, 55, como mentor do crime. O pescador foi preso na terça-feira (17/1), com queimaduras profundas nas mãos e no rosto.

Na delegacia, Gideon teria dito à polícia que trabalhava com Marcos Antônio Lopes de Oliveira, 54, e era próximo dos integrantes da família do suposto chefe. Ao ser indagado sobre a participação no crime, o preso optou por ficar calado.

Entenda o papel de cada preso na chacina que fez 10 vítimas no DF, segundo depoimentos

Os comparsas de Gideon também o apontaram como o responsável por ter atraído a cabeleireira Elizamar da Silva, 37, bem como os filhos dela, Gabriel, 7, e os gêmeos Rafael e Rafaela, 6, à chácara dos sogros, por enforcar as crianças e por comprar gasolina usada para queimar o corpo das vítimas.

Falha

As marcas encontradas nas mãos do suspeito seriam resultado de uma “falha”. Horácio teria jogado gasolina no carro e ateado fogo, mas Gideon ainda estava perto dos corpos das vítimas no momento em que o incêndio começou.

Quanto ao envolvimento do suspeito na morte de Renata Juliene e Gabriela, Gideon teria ficado responsável por buscar as vítimas na chácara onde moravam e levado-as para o cativeiro. No local, teria exigido que as duas passassem informações pessoais, como números de documentos, senhas e dados bancários.

Após manter as duas sob cárcere por aproximadamente duas semanas, Gideon teria prometido que as soltaria, na madrugada de 14 de janeiro, o que não aconteceu. Ainda segundo depoimento de Horácio, o suposto mandante teria dirigido com as vítimas até Unaí (MG) e as asfixiado com cintos de segurança.

Fonte: Metrópoles

Deixe um comentário