A Casa das Sete Mortes, ou Casa das Sete Facadas, tem uma das histórias mais sombrias em relação aos casos […]

Quinta Misteriosa: A Casa das sete mortes

A Casa das Sete Mortes, ou Casa das Sete Facadas, tem uma das histórias mais sombrias em relação aos casos ditos como sobrenaturais ocorridos no Estado da Bahia.

O que se sabe até então é que a casa foi cena de assassinatos em anos diferentes. O único homicídio totalmente confirmado aconteceu em 1755, quando o padre Manoel de Almeida Pereira e outros três criados foram mortos a facadas no local. Até hoje ninguém sabe quem foi o autor dos crimes.

Além desses homicídios “oficiais“, existem diversas hipóteses para completar as sete mortes que a casa leva como sobrenome. A primeira diz que uma escrava envenenou os patrões e a filha deles como vingança aos maus tratos sofridos. Outra é sobre uma mãe e duas filhas encontradas em estado de decomposição, sem pistas sobre o assassinato. Há até quem especule sobre uma tragédia amorosa.

O fato é que ninguém sabe ao certo o que aconteceu ali, mas os vestígios dessas histórias assombrosas permanecem intactos até os dias atuais. Relatos sobre barulhos de passos nos cômodos, portas que abrem e fecham sozinhas, vultos e névoa são recorrentes. Quem mora perto da casa afirma ter ouvido barulhos estranhos vindos do casarão, bem como uma atmosfera sinistra sobre o local.

Em 1943 a casa foi tombada como patrimônio histórico pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), devido a sua arquitetura milenar. Ninguém sabe quando a casa foi construída, mas é possível que ela esteja de pé desde o século XVII, sendo considerada uma das construções mais antigas do Brasil.

Na reforma mais recente, muitos operários disseram ter visto aparições sobrenaturais, além de terem ouvido portas batendo sem explicação.

Mesmo carregando tantas histórias sinistras, é possível visitar e conhecer a história do sobrado.

Endereço: Rua Ribeiro dos Santos, 24 – Pelourinho, Salvador
Horário de funcionamento: 14h às 17h

Fonte: Ibahia

Deixe um comentário