O procurador que tirou Geraldo Alckmin da mira da Lava Jato é primo-irmão de um velho aliado do tucano. O […]

Procurador que livrou Alckmin de rota da Lava Jato é primo de um velho aliado do tucano

O procurador que tirou Geraldo Alckmin da mira da Lava Jato é primo-irmão de um velho aliado do tucano. O vice-procurador-geral da República, Luciano Mariz Maia, é primo de José Agripino Maia. O senador do DEM chegou a ser cotado para disputar a eleição presidencial como vice de Geraldo Alckmin em 2006, mas foi preterido pelo então senador José Jorge.

Por sugestão do procurador, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) enviou o inquérito por propina de R$ 10 milhões em campanha do ex-governador do PSDB para a Justiça Eleitoral. As informações são de Bernardo Mello Franco.

Nesta semana, o procurador pediu ao STJ que enviasse o inquérito contra Alckmin à Justiça Eleitoral, e não ao braço paulista da Lava Jato, o que tirou o tucano da rota da operação.

Na prática, isso significa um salvo-conduto para o tucano disputar a eleição sem ter problemas com a polícia.

Perfil

Natural de Pombal, Paraíba, Luciano Mariz Maia nasceu em 15 de abril de 1954. Ele é formado em Bacharel em Direito pela Universidade Federal da Paraíba, Mestre em Direito pela Universidade de Londres e Doutor em Direito pela Universidade Federal de Pernambuco.

Foi Promotor de Justiça no Estado do Rio Grande do Norte entre 1982 e 1991; Secretário de Estado (Secretaria do Governo) do Estado da Paraíba no período de 1987 a 1988; Diretor Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região nos de 1989 a 1990; e Assessor da Presidência do Tribunal Regional Federal da 5ª Região entre 1990 e 1991.

De acordo com o Ministério Público Federal, Maia assumiu a vice-procuradoria geral da República em 2017 e foi subprocurador-geral da República desde 2012. Já atuou perante as 5ª e 6ª Turmas do STJ. Ele também atuou como coordenador da Câmara de Populações Indígenas e Comunidades Tradicionais (6CCR/MPF), tendo sido por quatro anos procurador federal dos direitos do cidadão adjunto.

Deixe um comentário