Quinhentos comprimidos de  droga sintética, Ecstasy,  131 frascos de Lança-Perfume e 360 gramas de  maconha do tipos skank  foram apreendidos […]

Polícia apreende 500 comprimidos de ecstasy e lança-perfume encomendados pelos Correios

Quinhentos comprimidos de  droga sintética, Ecstasy,  131 frascos de Lança-Perfume e 360 gramas de  maconha do tipos skank  foram apreendidos durante operação  no Centro de Tratamento de Cartas e Encomendas dos Correios – CTCE, por servidores do Serviço de Vigilância e Repressão ao Contrabando e Descaminho da Alfândega do Porto de Manaus – SEREP.

De acordo com informações da assessoria de imprensa da Receita Federal, a operação ocorreu nos dias  12 a 14 deste mês e contou com a atuação dos cães farejadores do órgão que ajudaram a descobrir os ilícitos nas encomendas.

A droga  sintética foi localizado dentro de um brinquedo proveniente do Rio de Janeiro, com destino Manaus.  A mesma está avaliada em aproximadamente R$ 40  mil  cada comprimido é vendido por R$ 80  reais.
De acordo com o delegado da Polícia Civil Paulo Magvinier a droga sintética e consumida por jovens de classe média e alta nas nas baladas,  revés e nas festas nos flutuantes da área do Tarumã. É uma droga perigosa, que apesar de não causar dependência, causa alucinações.

Já o Lança-Perfume e Skunk foram descobertos durante procedimentos de rotina. Os cães farejadores da Receita Federal identificaram  encomendas suspeitas provenientes do estado do Rio de Janeiro.

Após a indicação dos cães de faro, utilização do scanner e verificação física foram confirmadas, nas encomendas, as existências de 131 frascos de Lança-Perfume e 360 gramas de Skunk. O Skunk estava escondido em potes de gel massageador.

As Alfândega do Porto e Aeroporto de Manaus informam que as ações de fiscalização e controle aduaneiro realizadas têm por objetivo evitar a circulação, no território nacional, de produtos potencialmente nocivos à saúde e ao meio ambiente, e inibe a prática de crimes que geram desemprego, sonegação de impostos e concorrência desleal à indústria e ao comércio local.

Com informações: A Crítica

Deixe um comentário