“Foi uma monstruosidade que ela fez. Ela dizia que se a Justiça tirasse a guarda da criança, ela se mataria […]

Mulher é presa suspeita de matar filha de 1 ano após não aceitar dividir guarda com o pai

“Foi uma monstruosidade que ela fez. Ela dizia que se a Justiça tirasse a guarda da criança, ela se mataria e mataria a filha”. A fala é de Débora Castellar da Silva, vizinha da dona de casa Mila Cristina de Oliveira Bolquett, presa suspeita de matar a filha, de 1 e 11 meses, nesse domingo (15), em Coelho Neto, na Zona Norte do Rio de Janeiro.

Segundo parentes e amigos, Mila não aceitava que a pequena Anna Lya Vieira dos Santos tivesse contato com o pai. Nesse domingo, durante uma visita, teria acontecido uma briga entre os pais após a criança voltar para casa. Em seguida, a mulher teria matado a menina e tentado se matar.

Segundo o laudo do Instituto-Médico Legal (IML) do Centro do Rio, a criança sofreu traumatismo craniano e asfixia.

A mulher foi presa em flagrante, na manhã desta segunda-feira (16), e está internada sob custódia. O caso é investigado pela Delegacia de Homicídios da Capital (DHC). A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) informou o estado de saúde da mulher é grave.

Ao g1, Débora Castellar da Silva contou que, antes da criança ser encontrada morta, a mãe teria brigado com o pai da criança.

“Durante a tarde, houve uma confusão porque ela não queria que a criança passasse a tarde com o pai. Uma pessoa interveio e falou que era pra ela deixar ir e tal. À noite, a criança voltou dormindo e ela, quando foi pegar a Anna, puxou com tanta força que a menina chegou bateu a cabeça na parede”, lembra a vizinha, que mora perto da casa da suspeita e diz ter presenciado a situação.

“Em seguida ela entrou com a criança para casa. Horas depois, ele mandou uma mensagem para um vizinho e ele foi na casa. Chegando lá, a menina estava enrolada em uma coberta e toda roxa, já morta. A Mila escreveu uma carta, que estava ao lado do corpo da bebê”, relatou Débora.

“O que ela fez foi coisa de monstro. Ela sempre dizia que, se o pai conseguisse a guarda da bebê ela se mataria e mataria a criança. Nesta semana, a Justiça do Rio havia marcado uma audiência para tratar da guarda da menina. Além disso, no próximo mês a bebê completaria 2 anos de idade. Ela não poderia ter feito isso”, destacou a vizinha da dona de casa.

Ainda de acordo com os vizinhos, após matar a criança, a dona de casa tomou veneno e precisou ser encaminhada para o Hospital Municipal Ronaldo Gazolla, em Acari, na Zona Norte do Rio de Janeiro.

Segundo a Polícia Civil, no bilhete encontrado ao lado do corpo da criança, a suspeita confessava o crime.

Em nota, a Polícia Militar disse que “na manhã desta segunda, policiais militares do 9° BPM (Rocha Miranda) foram acionados para uma ocorrência de homicídio, em Coelho Neto, Zona Norte do Rio de Janeiro. De acordo com o comando da unidade, os policiais receberam a informação de que uma mulher havia matado sua filha, no interior de uma casa. No local, o fato foi constatado pelos policiais. A acusada foi encontrada internada na UPA de Irajá, onde permanece presa sob custódia. A ocorrência foi encaminhada para a Delegacia de Homicídios da Capital”.

Fonte: G1

Deixe um comentário