Desmatamento, focos de calor e incêndio que atingiu o PARNA Jaú, em setembro, estão na nova edição do boletim. O […]

Boletim do LabGEO/FVA atualiza informações sobre riscos ambientais no território do Mosaico do Baixo Rio Negro

Desmatamento, focos de calor e incêndio que atingiu o PARNA Jaú, em setembro, estão na nova edição do boletim.

O sexto boletim traz o monitoramento do desmatamento para o período de agosto a dezembro de 2022, com dados de degradação ambiental por meio dos alertas do DETER e alertas de desmatamento. Para melhorar o monitoramento e validar as informações foram utilizadas imagens da constelação Planet, que registrou novos alertas de desmatamento e degradação ambiental ao longo do território do Mosaico. A UC mais afetada foi a APA da Margem Direta do Rio Negro – Setor Puduari/Solimões, seguida pela APA da Margem Esquerda do Rio Negro – Setor Tarumã-Açu/Tarumã-Mirim, região muito procurada pela população do estado.

Quanto aos focos de calor, foi registrado um aumento significativo no número de focos de calor na Área de Proteção Ambiental da Margem Direta do Rio Negro – Setor Puduari/Solimões, e Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Rio Negro, resultado da abertura de novas áreas. Outras porções de território, como a Área de Proteção Ambiental da Margem Esquerda do Rio Negro – Setor Tarumã-Açu/Tarumã-Mirim e a APA Setor Aturiá/Apuauzinho, também apresentaram números maiores de focos de calor por influência direta da abertura de ramais e supressão vegetal no entorno da BR-174.

Além disso, o boletim aponta focos de calor isolados no Parque Nacional do Jaú, na Reserva Extrativista do Rio Unini, na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Amanã, no Parque Estadual Rio Negro Setor Norte e na Reserva Extrativista Jauaperi Rio Branco, o que representa a abertura de novos roçados no momento de vazante e início do período de cheia dos rios que normalmente ocorrem no final de cada ano.

Um dos destaques desse informativo é o incêndio que ocorreu, no final de setembro, no Parque Nacional do Jaú, uma das maiores e mais importantes Unidades de Conservação da Amazônia – localizado a 220 km de Manaus, entre os municípios de Novo Airão e Barcelos. Considerado um dos maiores parques nacionais do Brasil e do mundo com seu ecossistema praticamente intacto, o PARNA Jaú foi acometido por um incêndio atingindo médias proporções, consumindo uma área já atingida pelo fogo em meados de 2015, o incêndio foi combatido, por cinco dias, pelos brigadistas do ICMBio. O estopim do incêndio ainda está sob investigação.

Estas outras informações sobre o monitoramento da região estão publicadas na 6a edição do Boletim de Monitoramento de Riscos Socioambientais, ação que integra o projeto “Rotas e Pegadas: caminhos integrados para o desenvolvimento do baixo rio Negro”, financiado pelo Projeto LIRA – Legado Integrado da Região Amazônica, do IPÊ – Instituto de Pesquisas Ecológicas, por meio do Fundo Amazônia e Fundação Gordon e Betty Moore.

Acompanhe na íntegra o boletim atual e as demais edições disponíveis:

#6 Boletim de Monitoramento LabGEO/FVA [NOVO]

#5 Boletim de Monitoramento LabGEO/FVA

#4 Boletim de Monitoramento LabGeo/FVA

#3 Boletim de Monitoramento LabGeo/FVA

#2 Boletim de Monitoramento LabGeo/FVA

#1 Boletim de Monitoramento LabGeo/FVA

Deixe um comentário