Novas análises de informações coletadas do misterioso ‘Oumuamua’, o primeiro objeto interestelar detectado pela ciência cruzando o nosso Sistema Solar, […]

Objeto interestelar pode conter água ‘alienígena’, dizem pesquisadores

Novas análises de informações coletadas do misterioso ‘Oumuamua’, o primeiro objeto interestelar detectado pela ciência cruzando o nosso Sistema Solar, indicam que o corpo pode conter água proveniente de outro sistema estelar.

Segundo pesquisadores da Queen’s University, em Belfast, na Irlanda do Norte, o ‘Oumuamua’ parece ter uma crosta protetora formada por material orgânico que recobre o interior rico em água congelada.

Essa seria uma possível explicação para o ‘Oumuamua’ não ter vaporizado ao passar perto do Sol, como aconteceria com um cometa. Ele cruzou o nosso sistema a apenas 37 milhões de quilômetros do Sol, mais próximo que Mercúrio. Observações feitas com telescópios não encontraram sinais de gelo ou minerais rochosos em sua superfície, como em cometas e asteroides, mas uma crosta rica em carbono.

“Nós descobrimos que a superfície do ‘Oumuamua’ é similar a de pequenos corpos do Sistema Solar que são cobertos em gelo rico em carbono, cuja estrutura é modificada pela exposição aos raios cósmicos”, informou Alan Fitzsimmons, líder do estudo publicado nesta segunda-feira (18), na revista Nature Astronomy.

“Nós também encontramos que uma cobertura de meio metro, formada por material orgânico, poderia proteger um interior rico em água, parecido com um cometa, de vaporizar quando o objeto fosse aquecido pelo Sol, mesmo a temperaturas acima de 300 graus centígrados”, completou o cientista.

A crosta externa deve ter sido formada ao longo de milhões ou, até mesmo, bilhões de anos de bombardeios de raios cósmicos ao longo de sua jornada.

”Esta camada superficial acontece quando você pega o gelo e a poeira de cometas e os cozinha com partículas de energia por milhões ou bilhões de anos”, explicou Fitzsimmons.

Leia Mais: Asteroide em forma de charuto cruza o sistema solar

*Com informações da fonte: O Globo

Deixe um comentário