Qual será o bem material mais importante que existe? Será a sua bela casa com um carro na garagem e […]

O bem material mais importante que existe

Qual será o bem material mais importante que existe?

Será a sua bela casa com um carro na garagem e uma moto para passeios? Adquirir imóveis e jóias valiosas para enfrentar qualquer adversidade financeira no futuro?

Existem pessoas que ainda procuram viver como se estivessem na idade média, guardando seus tesouros embaixo do colchão ou mesmo enterrando em algum lugar seguro. Muitas vezes é preciso acreditar em outras formas de recompensas, mas a grande maioria não quer viver feliz de espírito sem ter um centavo no bolso. Enquanto algumas pessoas desejam ser ricas de saúde, outras não encontram em suas riquezas a cura para as suas doenças.

A felicidade do pobre é muito diferente da felicidade do rico, e não é por questão financeira ou mesmo de classes. A diferença é que cada um vive em seu universo e morre pelo que produz nele, por exemplo: O pobre morre de fome, o rico morre pelo que come; o pobre morre sem ter dinheiro, o rico morre pelo seu próprio dinheiro; o pobre morre num assalto, o rico morre num sequestro; o pobre morre num bar de esquina, o rico morre num baile de gala; o pobre morre de velhice, o rico morre de infarto; e sendo assim, o pobre morre de cansaço e o rico morre de câncer.

Um pobre que passar 50 anos na miséria renasce de novo para viver mais 50 se um dia ficar rico. Já o rico em sua fortuna não dura um ano se um dia, de repente, ficar pobre. E não é por fraqueza física ou falta de costume. Se trata de uma questão de orgulho mesmo. Um pobre vive sem esse orgulho porque depende de sua humildade. Porém, um pobre orgulhoso é muito pior que um rico esnobe, pois quando a acomodação predomina na sociedade, logo, não existe mais pobreza e nem riqueza, o que existe é aceitação.

Sei que nem tudo é maravilhoso perante as circunstâncias em que vivemos, mas só o fato de estarmos vivendo com saúde já é algo gratificante. É claro que o dinheiro tem muita importância [é mais do que necessário], pois temos nossas necessidades de sobrevivência, precisamos de conforto, segurança, bem-estar e lazer… Tudo isso o dinheiro compra, assim como compra também nossa morte através de nossos vícios e prazeres mundanos, nossas fobias, nossa caretice da dependência ao modismo, nossa necessidade de querer sempre mais, de buscar o novo que no outro dia já é velho, de acompanhar a evolução tecnológica, de cuidar excessivamente do corpo mais do que da mente e viver em frente ao espelho que não reflete a nossa imagem, e sim a imagem dos outros.

Na verdade, a coisa mais importante que podemos adquirir em vida, e que nos servirá mesmo após a morte, o dinheiro não pode comprar. Chega a ser engraçado porque o ser humano passa a vida inteira em busca de conseguir dinheiro para encontrar a felicidade, esquecendo-se que o mais importante na vida não está no dinheiro, muito menos na miséria. É algo que o ser humano encontra por si só, não importando se for rico ou pobre, saudável ou enfermo, negro ou branco, casado ou solteiro, normal ou deficiente. É algo maior que qualquer crença ou ideologia e que pode estar explícito de diversas maneiras, pois os privilegiados que possuem essas duas armas não precisam mais de arma nenhuma.

Eu estou falando de ESPERANÇA, premissas básicas para encontrar o verdadeiro caminho da salvação!

FÉ em Deus, em nosso Senhor Jesus Cristo! ESPERANÇA para o mundo e paz entre os homens!

Sabemos que novas igrejas se levantam e tantas outras declinam; novas religiões aparecem e outras viram moda; enquanto há pregadores que enriquecem e seguidores que empobrecem – mesmo achando que evoluíram financeiramente após entrarem para uma nova igreja, sem perceberem que tal evolução se deu, simplesmente, pelo fato de terem largado os vícios, liquidado as contas e por terem feito economias -, ou seja, é tudo muito simples… Aleluia no mundo moderno é comprometimento.

O caminho até Jesus Cristo é estreito e independente de classe social. É o único elo que une o rico e o pobre que, muitas vezes, são parecidos por encontrarem esse caminho estreito através da dor, pois larga é a estrada que leva a perdição para ambas as classes. E para atravessar esse caminho estreito, você não dependerá jamais do dinheiro, pois, nesse caso, única e exclusivamente falando, o dinheiro não pode comprar nada!

Jesus Cristo não veio para os ricos e nem para os pobres. Ele veio aos simples de coração, seja lá qual for a classe social a que este pertença, pois riqueza não tem nada a ver com pecado e a pobreza não significa salvação.

 

*Sid Sheldowt é compositor, poeta e escritor. Autor do livro Apocalipse Tribal.

Deixe um comentário